quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Só sei

O pulo me cerca
E seca a cerca que cerquei em mim
Mas salto o cerco e me arranho
Arranco o rastro que rasga o rio,
rompendo ruas, risos, rusgas que percorri.
Cerco o muro que seca o pulo.
E salto...
Só sei do solo que sombreia,
só sei do sol,
só sei de mim.

7 comentários:

Tiago Soarez disse...

Só sei de mim ;)

Beijos, Veronica!

Ótimo fim de semana!

Diego disse...

Só sei que nada sei.

Camilla Tebet disse...

Ela é poeta também e eu não sabia. Verônica, sabermos de nós já dá um trabalho danado. Adorei o jogo de palavras. Vc tem um dom, vc tem um dom.
E solo que sombreia é sempre o que nos espreita, melhor mesmo acreditar que vem com sol.
Um beijo

Strª elis disse...

seu blog muito legal poucas palavras com belas expressõas..!
:)!
guapa! proce!

Narradora disse...

Como já disse a Camilla, muito legal o jogo de palavras... gosto da forma que brinca com elas... parece que além de saber de você, sabe delas também. :)
Bjs

Desarranjo Sintético disse...

É, arriscar as vezes vale a pena, principalmente quando vemos a beleza das coisas!

Bjoks!

Graciela Lize disse...

Passei por aqui e gostei de mais!!!
beijosssss